Seg, 26 de outubro de 2020, 08:38

Atheneu Sergipense e UFS: dois marcos grandiosos da vida sergipana
Angelo Roberto Antoniolli

Sesquicentenário. Isso mesmo. São completados 150 anos da fundação do Atheneu Sergipense, neste 24 de outubro. Naquele longínquo ano de 1870, a Província de Sergipe ganharia sua escola secundarista, que, desde logo, marcaria, e para sempre, a vida educacional e intelectual da nossa terra. A juventude sergipana não mais precisaria deslocar-se para outras Províncias, a fim de buscarem o estudo secundário. Além disso, todos que concluíssem as letras iniciais teriam acesso ao ensino secundário, que, até então, só era alcançado pelos filhos da elite agrária ou urbana. As famílias abastadas podiam mandar os seus filhos a estudarem na Bahia, no Recife ou na Corte. Os filhos das camadas menos favorecidas não tinham como prosseguir nos seus estudos, salvo se algum “padrinho” ou “madrinha” lhes abonassem.

Naquele 24 de outubro de 1870, coube ao então presidente da Província, Coronel Francisco José Cardoso Júnior, ao regulamentar o ensino secundário, fundar o mais tradicional estabelecimento de ensino público de Sergipe, glória da educação do nosso tão querido rincão. O Império precisava dotar a juventude brasileira da melhor instrução possível. Vê-se essa necessidade nos pronunciamentos do imperador Pedro II, nas “Falas do Trono”, com as quais eram abertas as sessões anuais do Parlamento.

A instituição, inicialmente denominada “Atheneu Sergipense”, foi o primeiro estabelecimento de Instrução Pública Secundária da Província de Sergipe a funcionar plenamente. Seu primeiro diretor foi o Dr. Manoel Luiz Azevedo d’Araújo, que também era diretor da Instrução Pública da Província, um dos mais brilhantes homens públicos devotados à educação, na sua época. Aracaju era a capital provincial há apenas 15 anos. Dois cursos foram criados: o de Humanidades e o Normal.

No Relatório apresentado pelo presidente Cardoso Júnior, em 11 de maio de 1871, na página 6, ele disse: “Pelo relatório que apresentei à Assembleia Provincial na abertura da sessão do corrente ano, conhecerá Vossa Excelência qual o estado em que se acha a instrução pública nesta província. Entretanto, consinta Vossa Excelência que eu recomende ao seu especial cuidado o Atheneu Sergipense, como uma instituição de que se pode colher os mais belos frutos”.

O fundador do Atheneu Sergipense tinha plena razão em considerar que naquela instituição seriam colhidos frutos inestimáveis para a sociedade sergipana. O Atheneu foi-se consolidando e brilhando no firmamento da educação em nossa terra. Atravessou o século XIX, para no século XX agregar no seu corpo docente o que havia de mais fecundo no magistério sergipano. Homens e mulheres de extraordinário valor agregaram-se à sua corporação. Muitos dos membros do seu valoroso corpo docente viriam a integrar, no futuro, o corpo docente da Universidade Federal de Sergipe. Muitos dos seus alunos seriam formados nos mais diversos cursos da UFS. E não poucos destes acabariam retornando ao Atheneu como professores. Vê-se, pois, que há uma simbiose entre a UFS e o Atheneu. Aliás, duas das mais nobres e destacadas instituições educacionais e sociais de Sergipe.

Orgulha a todos nós que compomos a Universidade Federal de Sergipe o sesquicentenário do Atheneu Sergipense. Deve orgulhar também a toda sociedade sergipana. O Atheneu tem uma marca indelével registrada na história da educação sergipana e esperamos que assim continue por muitos anos ainda.

A Universidade Federal de Sergipe que tem sido distinguida como uma das melhores universidades do país, como recentemente divulgou a imprensa nacional, também orgulha o povo sergipano. A UFS, bem mais jovem do que o Atheneu, vem crescendo e afirmando-se como uma instituição modelar do ensino superior. E não poderia silenciar diante de tão auspiciosa data para o Atheneu Sergipense.

Esperamos que os governantes sergipanos de ora em diante tenham o cuidado de dotar o Atheneu dos recursos humanos e materiais para que continue a ser o grande exemplo de instituição educacional a merecer o aplauso e o reconhecimento de todos os sergipanos.

Parabéns ao velho Atheneu! Parabéns ao povo sergipano por ter como sua uma instituição que dignifica a terra de Tobias Barreto, Sílvio Romero, Manoel Bomfim, João Ribeiro, Laudelino Freire, Gilberto Amado e tantos homens e tantas mulheres que, ao longo dos tempos, dignificaram e dignificam o nome de Sergipe.

Angelo Roberto Antoniolli é reitor da UFS.


Foto: Agência Sergipe de Notícias (ASN)
Foto: Agência Sergipe de Notícias (ASN)
Atualizado em: Seg, 26 de outubro de 2020, 14:16
Notícias UFS