Sex, 20 de julho de 2018

Preservar o estado de bem-estar social
Ricardo Lacerda*
O necessário e inadiável ajuste fiscal vem sendo instrumentalizado como uma insidiosa estratégia para debilitar o estado de bem-estar duramente construído desde a redemocratização do país em 1985.Ao final do período de transição, a “pinguela” que segmentos mais poderosos e influentes do establishment exigem que o governo Michel Temer atravesse em direção a um modelo de funcionamento da economia menos regulado, muitas das conquistas sociais elementares poderão ter sido sacrificadas em nome da austeridade e de supostos ganhos de competitividade.Para deixar claro, não se trata aqui de... +Informações
O trabalho continuará
Angelo Roberto Antoniolli
Na última quinta-feira (24), e após sermos submetidos ao processo de consulta eleitoral junto à comunidade acadêmica, formada por alunos, professores e técnico-administrativos, além de passar pelo crivo do Conselho Superior da Universidade Federal de Sergipe, como mandam as normas pertinentes ao caso, eis que fomos reempossados pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, na sede do MEC, em Brasília. Conosco foram também empossados o reitor da Universidade Federal de Rondônia e a reitora da Universidade de Brasília – UNB. Aliás, o ministro tem empossado de três em três reitores, para dar... +Informações
De Homem a Androide: Uma Análise Sobre o Uso Acrítico das Tecnologias Digitais
Henrique Nou Schneider
Norteado pela questão “Por que se faz mau uso das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC) na atualidade?” e tomando como base teórica o texto de Kant “Resposta à Pergunta: Que é Esclarecimento ?”, apresento uma análise a partir da seguinte hipótese: “A ignorância sobre os sistemas computacionais, principalmente sobre o processo de desenvolvimento de software, aliado à facilidade de uso das tecnologias digitais, deixa os seus usuários vulneráveis a possíveis fins inescrupulosos e/ou doentios que estão invisíveis nas Interfaces Humano-Computador (IHC)”.Inicio apresentando o... +Informações
Entre Zumbis e Pokémons
Henrique Nou Schneider
O Homem na ciberculturase torna refém de suas invenções tecnológicas?Venho comentar a reportagem publicada na revista Isto é de 17/08/16 intitulada “Os riscos do PokémonGo”, norteando-me pela questão supra.Pokémon Go é um jogo eletrônico baseado no desenho animado homólogo que foi sucesso entre a garotada na década de 1990. Ele usa o smartphone como plataforma e explora os recursos de geo-posicionamento (GPS) para identificar a posição geográfica do jogador obtida no Google Maps e de Realidade Aumentada (RA) associada à câmera e um determinado software que o jogador deve “baixar” no seu... +Informações
Campus do Sertão, uma conquista de todos
Jodnes Sobreira Vieira
Aqui está nascendo o futuro. Aqui está sendo edificada a Universidade Federal de Sergipe (UFS) que todos queremos no Alto Sertão Sergipano: maior, mais presente e cada vez melhor. Aqui está surgindo a Universidade que o Sertão merece. Com o início das aulas no Campus de Sertão, a UFS dá mais um importante passo na consolidação do projeto de interiorização do ensino superior em nosso Estado e, apesar de territorialmente a UFS ter sua base em Nossa Senhora da Glória, as ações desenvolvidas no Campus atenderão a todos os municípios do Alto Sertão Sergipano, onde apoiaremos a agricultura... +Informações
Dromocracia Cibercultural: Saturação Tecnológica na Sociedade Contemporânea
Henrique Nou Schneider
Neste espaço, discuto o fenômeno da Dromocracia Cibercultural, apresentando seu conceito, suas características e os efeitos sobre a Sociedade, à luz do livro “A Dromocracia Cibercultural” e do artigo “Estética e Cibercultura: Arte no Contexto da Segregação Dromocrática Avançada”, ambos de Eugênio Trivinho.Dromocracia Cibercultural é o fenômeno que define o estado atual da sociedade, no que concerne a sua relação de uso excessivo e decorrente dependência das tecnologias digitais. Podemos pensá-la como um circuito (fechado), no qual, internamente, existe uma retroalimentação decorrente de um... +Informações
Genocídio Armênio
Silvia Paverchi
recente estremecimento das relações diplomáticas entre Turquia e Brasil, em decorrência da moção de apoio do Senado Brasileiro em 02 de junho último para reconhecimento do genocídio Armênio, reacende novas questões sobre a continuidade das relações bilaterais dos dois países a partir da responsabilização da Turquia pelos massacres ocorridos em 1915.Somente após 6 dias da aprovação da moção, o governo turco manifestou clara desaprovação ao teor do documento, retirando seu embaixador em Brasília, além de pressionar o Brasil, chamando para consultas o embaixador brasileiro em Ancara.O... +Informações
Entre Jabutis e Caranguejos
Comissão de Pós-Graduação e Comissão de Pesquisa/UFS
Entre Jabutis e CaranguejosVivemos um momento desafiador para a pesquisa, inovação e pós-graduação no Brasil. Nos próximos anos os modelos de financiamento das Universidades e Agências de Pesquisa vão sofrer significativos abalos. As Instituições de Ensino Superior já tiveram seus orçamentos drasticamente reduzidos este ano em relação a 2014. Por outro lado, o total de alunos matriculados na educação superior ultrapassou 7 milhões em 2012, a taxa média de crescimento anual nos últimos dez anos é de 8,4% (INEP).Na Universidade Federal de Sergipe o crescimento foi ainda mais exponencial. Nos... +Informações
Gerofobia
Neilson Santos Meneses
Ainda que as transformações demográficas tenham cada vez mais repercutido no aumento da proporção e do número de idosos na sociedade de maneira global, se observa que certos estereótipos com relação a velhice seguem prevalecendo como visões parciais e confusas desta etapa da vida (Martinez,2010, Gomes,2012, Fraiz,2015). Um conjunto de atitudes, em geral negativas que se expressam de diferentes maneiras, no que diz respeito ao envelhecimento, ainda que nem sempre de modo intencional, caracteriza a gerofobia (do grego gero= velho ou idoso fobos= temor, medo) que atrás do rascismo e sexismo é... +Informações
Gizelda Morais, uma mestra para ser sempre lembrada
Beatriz Góis Dantas
Chegou ao fim a trajetória física da multifacetada Gizelda Santana Morais (1939-2015). Mulher de muito pensar, escrever e ensinar, sua memória começa a ser delineada pelos que a conheceram. Aqui, propositalmente, se enfatiza o seu lado de professora e pesquisadora envolvida com as questões da educação.Grandiosa obra recentemente publicada – História e Memória, Universidade Federal de Sergipe, 1968-2012 (Souza, 2015) – à página 274 traz uma foto cuja legenda registra a professora Gizelda Morais, ao lado do reitor Gilson Cajueiro de Holanda, na reunião de implantação dos cursos de... +Informações