Qua, 13 de setembro de 2017, 17:23

"Com essa praça estamos recuperando a memória do nosso povo", diz reitor da UFS na inauguração do Memorial da Democracia
Evento aconteceu na tarde de ontem, 12, no campus de São Cristóvão
As três mãos localizadas no centro do memorial representam a verdade, a memória e a justiça. (Fotos: Dayanne Carvalho/bolsista Ascom-UFS)
As três mãos localizadas no centro do memorial representam a verdade, a memória e a justiça. (Fotos: Dayanne Carvalho/bolsista Ascom-UFS)

Ao cair da noite dessa segunda-feira, 12, o reitor Angelo Antoniolli participou da inauguração do Memorial da Democracia, no campus de São Cristóvão. Ao lado de Fernando Sá, professor que idealizou o memorial, ele falou sobre a importância do projeto como um resgate da memória de um período histórico do Brasil. "Com essa praça estamos recuperando a memória do nosso povo. Estamos começando um processo de recuperação e valorização do processo democrático. Agora a comunidade sergipana precisa se apropriar desse espaço", afirmou.

Veja aqui as fotos do evento.

Assista ao vídeo com imagens do memorial.

Assista também ao vídeo com depoimentos sobre o memorial.

Em seu discurso, o reitor falou ainda sobre a importância do dia para a história da Universidade Federal de Sergipe. "Hoje é um dia especial para a universidade porque não estamos inaugurando apenas uma praça, mas um lugar que traz a memória de um povo que para se fortalecer e buscar sua dignidade, precisa conhecer sua História".

O espaço, que fica localizado na área central do campus, ganhou um projeto elaborado pelos arquitetos César Henrique Matos e Silva, Júlio Santana e Cléo Maia, da Divisão de Projetos da UFS (Dipro/ Infraufs).


Angelo Antoniolli falou em seu discurso sobre a importância da praça para a história da democracia.
Angelo Antoniolli falou em seu discurso sobre a importância da praça para a história da democracia.

Idealização do memorial

Personagem vivo da luta pela redemocratização do país após o golpe de 1964, que instaurou a ditadura militar no Brasil, Fernando Sá, professor do Departamento de História (DHI), se diz orgulhoso de inaugurar um espaço de convivência que evoca o espírito democrático. "Essa praça tem o papel de trazer para as novas gerações a importância da consolidação, manutenção e luta democrática", afirmou.

O professor conta que a ideia do projeto surgiu de um incômodo frente a uma vertente das manifestações que ocorreram no Brasil em 2014, cujos ideais aludiam e olhavam com nostalgia o período da ditadura militar. "Em 1984 nós lutávamos por uma democracia e era tempo de refletir. Cinquenta anos depois do golpe de 64, tínhamos uma movimentação na sociedade que voltava-se a esse passado com uma leitura simpática à ditadura. Aquilo me incomodou profundamente porque a democracia deve ser o valor universal das sociedades".

Segundo o professor, a proposta do projeto vai além da estética do espaço. "Nós entendemos que esse memorial só vai ter sentido para a comunidade se proporcionar também a produção do conhecimento. Queremos abrir um laboratório de memória, verdade e justiça e implementar novas pesquisas sobre Arte, História e memórias das ditaduras que vivemos", disse.


"Essa praça tem o papel de trazer para as novas gerações a importância da consolidação, manutenção e luta democrática", afirmou o professor Fernando Sá, idealizador do projeto.
"Essa praça tem o papel de trazer para as novas gerações a importância da consolidação, manutenção e luta democrática", afirmou o professor Fernando Sá, idealizador do projeto.

Projeto urbanístico

Um dos arquitetos responsável pelo projeto foi Júlio Santana, da Dipro/Infraufs. Ele conta que a complexidade conceitual do memorial tem muito a ver com a semântica proposta para o espaço.

"Por ser um memorial tínhamos o desafio de colocar essas frases que rodeiam a praça e pensar em cada mobiliário para ter uma semântica forte e um apelo visual agradável. Os painéis de concreto criam uma semântica espacial que faz com que os visitantes tenham interessem em percorrer esses caminhos", afirmou. "A ideia é fazer justamente um passeio, uma viagem reflexiva dentro do espaço da praça para que se possa entender um pouco da História e memória da democracia e apreciar o espaço também de maneira contemplativa".

Júlio ainda disse que a equipe que trabalhou no projeto ficou surpresa após a conclusão das obras, pois perceberam que era uma demanda reprimida da comunidade universitária. "A apropriação foi imediata e muito boa. É isso que nos deixa feliz pois atingimos nosso objetivo, não só de enfatizar a questão da democracia, mas também de ser um espaço agradável de contemplação pra comunidade acadêmica de integração e de vivência".


Júlio Santana, um dos arquitetos responsáveis pelo projeto urbanístico do memorial.
Júlio Santana, um dos arquitetos responsáveis pelo projeto urbanístico do memorial.

Reocupação do espaço

O Memorial da Democracia é agora um espaço de convivência e sociabilidade dos estudantes e funcionários da UFS. O estudante de Ciências Contábeis Rhuan Nunes ingressou na instituição em 2008 e está em sua segunda graduação. Ele passou por todo o processo de reorganização do espaço.

"Eu acho que esse espaço agrega bem mais que o antigo, em questão de conforto e bem-estar visual. Agora me sinto mais à vontade para vim estudar aqui, sentar na grama com meus amigos", afirmou.

Mas mais do que um espaço de convivência, o memorial também é um marco na história de Marcélio Bonfim. Convidado para discursar no evento, Marcélio não conhece a ditadura pelos livros, mas pela vivência. Durante sua fala, ele pontuou a necessidade de uma comissão capaz de investigar os abusos cometidos pelo regime com professores, estudantes e funcionários públicos e parabenizou a UFS pela iniciativa.

"Quero parabenizar a UFS por inaugurar esses espaço para que a comunidade universitária venha discutir e relembrar a ditadura. Porque quem não lembra não tem o direito de criticar o presente e não tem direito de sonhar com o futuro".

Ascom

comunica@ufs.br


Atualizado em: Seg, 18 de setembro de 2017, 10:03
Notícias UFS
Avaliação
UFS é destaque no Enade 2016
Enfermagem e Nutrição (ambos de Lagarto) e Fisioterapia (Aracaju) obtiveram nota máxima; veja nota de outros cursos